domingo, 15 de abril de 2007

Canto escuro quarto e sala

Ela sabe que aquilo é mofo, que o ralo entope e a parede é fina. Ela sabe que o preço é alto e o espaço, exíguo, e a solidão, mais viva.
E que o chão é frio e que a cama é dura e que o sonho é pouco. Ela sabe bem.
Mas assina a ficha. A chave contra o peito.
Diz pra si: "Aceito."
E sorri pra ninguém.
Ela sabe que a vizinha sabe que ela não traz nada, oca até o fim. E que espia pela fechadura e oferece açúcar só por tititi.
E ela sabe que não se vê nada além da vidraça a não ser um muro e suas pichações.
Como também sabe que esse canto escuro é o lugar mais puro a suas orações.

2 comentários:

Simone Iwasso disse...

é o lugar dela!

ei, vc viu minha segunda manchete no domingo???? se não viu, arruma um estadão!

to morrendo de saudades! to em são vicente fazendo matéria, volto amanhã à noite, quero te ver

beijo

emiliano disse...

O que o Richard Cleiderman tem a ver com tudo isso?